segunda-feira, 31 de agosto de 2015

VII – UMA DEVOÇÃO SINCERA: BEM-AVENTURADOS OS LIMPOS DE CORAÇÃO

8 Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus (Mt 5.8).
Introdução
Ver a Deus é um desejo presente no coração daqueles que acreditam na sua existência. Muitas pessoas sentem-se atraídas pela idéia de um “Ser Supremo” que controla todas as coisas e querem entrar em contato com ele de alguma forma. Há uma grande busca por aquilo que se julga ser “espiritual” nestes últimos tempos. A cada dia cresce mais o interesse pela espiritualidade, pela religiosidade, mas, infelizmente, não pela devoção sincera a Deus. Podemos testemunhar peregrinações a lugares sagrados, pessoas que almejam encontros pessoais com divindades, meditações transcendentais na busca do contato com o “Ser Supremo”. Há, de fato, uma explosão de interesse por tais coisas. As pessoas querem se aproximar do que imaginam ser Deus, não que elas tenham motivos justos para isso, mas apenas porque querem, porque não há nelas nenhum interesse em firmar com Deus uma aliança sincera. Jesus nos disse que para que isso aconteça é preciso preencher um requisito: Ser puro de coração.
Não é fácil ser limpo de coração no mundo em que vivemos. Muitas são as alternativas que existem para sujar nosso coração. Vivemos em uma época e em um País extremamente sensual, onde a cada dia é um desafio de você manter pura a sua mente e suas emoções. Maridos encontram muitas facilidades para trair suas esposas e vice-versa também. Para os adolescentes é o desafio de viverem fora dos modismos que o mundo lhes oferece, para os jovens é o desafio de viverem fora dos prazeres da carne, sendo todos imundos e nos distanciam ainda mais de Deus. Por estes e outros motivos, permanecer de coração limpo é um desafio cada vez maior para os atuais servos de Deus. Satanás e o mundo sob seu controle, bem como a nossa carne imperfeita, exercem forte pressão para nos distanciar de Deus.
É por causa destas coisas que, quando queremos manter o coração puro, nos sentimos meio sozinhos. Parece que ninguém mais tem tal interesse. Mas o fato de outros não desejarem fazer isso não significa que não devamos ou precisamos fazê-lo. É nossa obrigação manter puro o coração em todo o tempo. Para resistir às pressões é de suma importância ter amor à pureza de coração e firme determinação de mantê-la. A recompensa para isso não será pequena! Vamos analisar três conceitos:
1 – A PUREZA COMEÇA COM O CORAÇÃO
Apesar de, cientificamente, o coração ser apenas um órgão responsável pelo bombeamento do sangue no corpo, popularmente ele é reconhecido como o centro dos sentimentos e das emoções. Para a Bíblia o significado é ainda mais amplo. Ele é o centro da personalidade humana, ou seja, representa a pessoa interior, a sede dos motivos e das atitudes. Inclui, também, o pensamento e a própria vontade.
6  Não comas o pão do invejoso, nem cobices os seus delicados manjares.
7  Porque, como imagina em sua alma, assim ele é; ele te diz: Come e bebe; mas o seu coração não está contigo (Pv 23.6-7).
Ele diz uma coisa, mas seu coração diz outra. Ele parece ser o que diz, mas a Bíblia diz que a pessoa é o que seu coração sente. E as palavras de Jesus explicam muito bem o fato de sermos o que é o nosso coração:
18  Então, lhes disse: Assim vós também não entendeis? Não compreendeis que tudo o que de fora entra no homem não o pode contaminar,
19  porque não lhe entra no coração, mas no ventre, e sai para lugar escuso? E, assim, considerou ele puros todos os alimentos.
20  E dizia: O que sai do homem, isso é o que o contamina.
21  Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios,
22  a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura.
23  Ora, todos estes males vêm de dentro e contaminam o homem (Mc 7.18-23).
É o que procede do coração que nos contamina. Jesus demonstra em seu ensino que uma pessoa só pode ser verdadeiramente boa, externamente, se seu coração for bom. Ou seja, se o coração, que é o centro do homem, for puro, todo o homem o será, mas se for mau também o será em todo o seu ser:
15  Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores.
16  Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos?
17  Assim, toda árvore boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus.
18  Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons.
19  Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo.
20  Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis (Mt 7.15-20).
E Lucas fala assim:
43  Não há árvore boa que dê mau fruto; nem tampouco árvore má que dê bom fruto.
44  Porquanto cada árvore é conhecida pelo seu próprio fruto. Porque não se colhem figos de espinheiros, nem dos abrolhos se vindimam uvas.
45  O homem bom do bom tesouro do coração tira o bem, e o mau do mau tesouro tira o mal; porque a boca fala do que está cheio o coração (Lc 6.43-45).
Quando Jesus se referiu ao coração dessa forma, rechaçou o conceito farisaico de pureza, que era algo meramente externo para eles. Para os fariseus, o que importava era a aparência de santidade e não a santidade intima. Não foi sem motivo que Jesus os acusou severamente.
13  Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque fechais o reino dos céus diante dos homens; pois vós não entrais, nem deixais entrar os que estão entrando!
24  Guias cegos, que coais o mosquito e engolis o camelo!
25  Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, mas estes, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança!
26  Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo, para que também o seu exterior fique limpo!
27  Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia!
28  Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade.
33  Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno (Mt 23.13,24-28,33)?
Portanto, em contraste com a externa, superficial e hipócrita religião dos fariseus e escribas, Jesus enfatiza a necessidade de absoluta sinceridade e integridade de vida. As pessoas não devem ser limpas apenas externamente, mas inteiramente, a partir do coração. Como manter um coração puro? O autor de Hebreus nos adverte:
12  Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo;
13  pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado.
14  Porque nos temos tornado participantes de Cristo, se, de fato, guardarmos firme, até ao fim, a confiança que, desde o princípio, tivemos (Hb 3.12-14).
Não podemos permanecer puros de coração se desenvolvemos um coração faltoso de fé. Que conceitos Satanás propaga para minar a fé em Deus? Entre outros, a teoria da evolução, o relativismo moral e religioso e dúvidas sobre a inspiração divina das Escrituras Sagradas. Não devemos nos deixar afetar por tais ideologias mortíferas. A leitura diária da Bíblia e a meditação profunda no que lemos são defesas fundamentais contra tais ataques. O conhecimento exato da Palavra de Deus estimulará nosso amor a Deus e apreço pelo seu modo de agir. Esse amor e apreço são indispensáveis se desejamos rejeitar raciocínios falsos e manter forte a nossa fé em Deus, de modo a manter um coração puro.
Jesus, ao dizer “limpos de coração” atacou o problema central da humanidade. Ele não quis apenas dizer: “Vocês precisam mudar algumas coisas que me desagradam, pois no fundo todos vocês são bons”, mas deixou claro que o problema do homem está em sua essência. Não é superficial, mas envolve toda a sua natureza. O problema está no coração, de onde os pecados procedem. Portanto, a mudança não pode ser apenas externa, como tentar evitar o pecado, mas precisa ser interna, precisa haver uma purificação da fonte do mal, precisa acontecer uma transformação de vida, uma troca de coração, de um coração carnal por um coração regenerado.
2 – SER LIMPO DE CORAÇÃO NÃO É PARA QUALQUER UM
A Bíblia diz que, por natureza, todos os corações são contaminados. Jeremias disse:
Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá (Je 17.9)?
De fato, ninguém nasce com o coração limpo, mas manchado pelo pecado. Davi disse:
Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe (Sl 51.5).
Ao escrever isso ele tinha consciência de que, se quisesse ter um coração puro, necessitava de purificação, por isso que ele pediu em seguida:
10  Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável (Sl 51.10).
Portanto, ser de coração limpo não é para qualquer um e vou explicar o porquê, apesar de já estar um pouco claro nos textos acima. J. B. Phillips traduz esta bem-aventurança assim: "Bem-aventurados os absolutamente sinceros", e esta frase parece refletir o verdadeiro significado das palavras de Jesus. A limpeza, nesta bem-aventurança, não se refere à perfeição absoluta de um ser humano. É muito mais provável que fale da pureza de uma devoção sincera. Outros textos nos ajudam a entender melhor isso:
23  se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas. Portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas, que grandes trevas serão!
24  Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas (Mt 6.23-24).
E Paulo também diz:
2  Porque zelo por vós com zelo de Deus; visto que vos tenho preparado para vos apresentar como virgem pura a um só esposo, que é Cristo.
3  Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também seja corrompida a vossa mente e se aparte da simplicidade e pureza devidas a Cristo (2 Co 11.2,3).
E Tiago também faz este uso da limpeza quando diz:
8  Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós outros. Purificai as mãos, pecadores; e vós que sois de ânimo dobre, limpai o coração (Tg 4.8).
E esta idéia de limpeza para ver a Deus também faz parte do discurso do salmista que diz:
Quem subirá ao monte do SENHOR? Quem há de permanecer no seu santo lugar?
O que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à falsidade, nem jura dolosamente (Sl 24.3-4).
Pessoas assim não permitem que nada se interponha no seu caminho, porque ele deseja ver a Deus com todo o seu coração. Portanto, ser limpo de coração é ter uma devoção sincera a Deus, e como o coração é o centro de nossos sentimentos, quem tem uma devoção sincera tem também um coração limpo. E quando Tiago fala sobre a provação deixa bem claro que quem não pratica a limpeza de coração em sua vida e não tem fé não receberá de Deus alguma bênção:
4  Ora, a perseverança deve ter ação completa, para que sejais perfeitos e íntegros, em nada deficientes.
5  Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida.
6  Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; pois o que duvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento.
Não suponha esse homem que alcançará do Senhor alguma coisa;
8  homem de ânimo dobre, inconstante em todos os seus caminhos (Tg 1.4-8).
Portanto, ter um coração limpo é pela fé porque não depende de nós:
23  Eu sei, ó SENHOR, que não cabe ao homem determinar o seu caminho, nem ao que caminha o dirigir os seus passos (Je 10.23).
É impossível para o homem ter uma devoção sincera a Deus por si só. Mas o que é impossível para nós é totalmente possível para Deus, pois para que sejamos limpos de coração é que Ele realiza em nós o novo nascimento:
3  A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.
4  Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez?
5  Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus (Jo 3.3-5).
E aí está quem são àqueles capacitados a terem um coração limpo: os convertidos em Cristo. A verdadeira visão de Deus é concedida somente àqueles que são absolutamente honestos e sinceros de coração para com Deus. E o caminho de Deus para a purificação do coração sempre foi o do derramamento de sangue.
22  Com efeito, quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e, sem derramamento de sangue, não há remissão (Hb 9.22).
O autor estava falando dos sacrifícios oferecidos na antiga aliança para autenticar o sacrifício eficaz de Cristo, que é suficientemente capaz de purificar de todo pecado a todo aquele que lhe é enviado pelo Pai. E isso dá ainda muito sentido nas palavras que João escreveu:
6  Se dissermos que mantemos comunhão com ele e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade.
7  Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado.
8  Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.
9  Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.
10  Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós (1 Jo 1.6-10).
O sangue de Jesus Cristo derramado na cruz é nossa única fonte de purificação. Entretanto, alguém que foi purificado pelo sangue de Jesus pode e deve viver uma vida de pureza. A Bíblia diz:
26  Se alguém supõe ser religioso, deixando de refrear a língua, antes, enganando o próprio coração, a sua religião é vã.
27  A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo (Tg 1.26,27).
O crente possui o grande privilégio de ser um daqueles que pode possuir um coração limpo, por isso, ele deve constantemente limpar seu coração de todo pecado e isso não se faz com água e sabão, mas tão somente com arrependimento e confissão. Ele deve ser uma pessoa simples e sem segundas intenções. Lembram das palavras de Tiago?
8  Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós outros. Purificai as mãos, pecadores; e vós que sois de ânimo dobre, limpai o coração (Tg 4.8).
Assim que devemos ser e fazer. O sacrifício de Cristo pelos pecadores tornou possível uma devoção sincera a Deus até mesmo aos pecadores regenerados. A parábola do semeador nos ensina muito bem isso quando fala da semente que caiu em boa terra:
15  A que caiu na boa terra são os que, tendo ouvido de bom e reto coração, retêm a palavra; estes frutificam com perseverança (Lc 8.15).
Eles também são pecadores, mas regenerados. Eles também têm as suas lutas, eles também têm muitos pássaros para lhes roubar seus sonhos, também têm muitas pedras em seus caminhos e também têm muitos espinhos para machucá-los, mas não se deixam vencer por eles, porque sempre podem contar com a graça de Deus. O Salmista diz:
8  Bom e reto é o SENHOR, por isso, aponta o caminho aos pecadores.
9  Guia os humildes na justiça e ensina aos mansos o seu caminho (Sl 25.8-9).
Um coração limpo é ausente de falsidade, ou seja, é um coração sincero. Mas apenas sinceridade não basta. Alguém pode ser sincero, mas estar errado em sua convicção religiosa. Os sacerdotes de baal que invocaram seu deus diante do profeta Elias, o faziam com sinceridade, chegando até mesmo a se ferirem na esperança de que ele se manifestasse. Eram sinceros no que faziam, mas estavam errados. Mas conhecer a verdade e não ser sincero também não traz nenhum benefício, pelo contrário, piora ainda mais a situação. Tiago diz:
17  Portanto, aquele que sabe que deve fazer o bem e não o faz nisso está pecando (Tg 4.17).
Quem foi purificado pelo sangue de Jesus e dirige sua vida com integridade e pureza, tanto interna quanto externamente, tem um coração puro e verá a Deus. Não é para qualquer um, mas serve para todos nós.
3 – A GRANDE RECOMPENSA DE SER LIMPO: VER A DEUS
Eles verão a Deus, não como os judeus no Sinai, mas no pleno entendimento de um íntimo relacionamento com Ele. Jesus explicou isso aos seus discípulos:
7  Se vós me tivésseis conhecido, conheceríeis também a meu Pai. Desde agora o conheceis e o tendes visto.
8  Replicou-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta.
9  Disse-lhe Jesus: Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido? Quem me vê a mim vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai (Jo 14.7-9)?
O convertido não possui um coração vazio, pois ele passa a ser habitação de Deus. Jesus se revela e mora nos corações regenerados, por isso que eles possuem uma visão tão clara de Deus. Seus olhos são abertos e aos seus corações são revelados os mistérios da fé. Agora eles podem ver a Deus! Lembram das palavras do salmista? Ele descreve o homem que poderá permanecer na presença de Deus:
Quem subirá ao monte do SENHOR? Quem há de permanecer no seu santo lugar?
O que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à falsidade, nem jura dolosamente.
5  Este obterá do SENHOR a bênção e a justiça do Deus da sua salvação.
6  Tal é a geração dos que o buscam, dos que buscam a face do Deus de Jacó (Sl 24.3-6).
A grande bem-aventurança dos limpos de coração é que eles, e somente eles, verão ao Senhor. Mas até lá há um longo caminho a percorrer e é totalmente necessário não permitir que os pássaros, as pedras e os espinhos no caminho nos derrotem e venham a nos impedir de chegarmos vitoriosamente a linha de chegada. É necessário manter sempre limpo o coração! A Bíblia nos adverte que:
14  Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor (Hb 12.14).
Ver a Deus já é possível, num certo sentido, nesta vida. Aqueles que se achegam a Deus, recebem pela fé uma visão de quem Deus é e de como Ele age. Vemos a Deus quando temos acesso a sua vontade e partilhamos dos seus propósitos para o mundo através de sua Palavra. Somente as pessoas que foram lavadas pelo sangue de Jesus possuem tal privilégio. Mas a maior parte desta bem-aventurança não está reservada para esta vida. João diz:
2  Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é (1 Jo 3.2).
Vai ser quando Cristo voltar ou se, antes disso, nós formos até Ele, é que veremos a Deus com perfeição, é que veremos o céu em todo o seu esplendor. Esta mesma esperança tinha Jó em seu coração quando disse:
25  Porque eu sei que o meu Redentor vive e por fim se levantará sobre a terra.
26  Depois, revestido este meu corpo da minha pele, em minha carne verei a Deus.
27  Vê-lo-ei por mim mesmo, os meus olhos o verão, e não outros; de saudade me desfalece o coração dentro de mim (Jó 19.25-27).
Que privilégio é ter hoje e quão inestimável será no futuro quando o veremos face a face! Só os limpos de coração poderão fazê-lo! Somente eles poderão se aproximar da luz, porque somente eles amaram esta luz. E que visão teremos lá no céu? Esta visão será tão sublime que não temos nem como descrevê-la aqui. João, que viu a glória do Trono de Deus, se limita a dizer que ainda não se manifestou o que havemos de ser. E Paulo, que também viu a glória do céu, se limita a nos relatar que a sua luz é inacessível:
16  o único que possui imortalidade, que habita em luz inacessível, a quem homem algum jamais viu, nem é capaz de ver. A ele honra e poder eterno. Amém (1 Tm 6.16)!
E os ímpios, que amam mais as trevas do que a luz, não suportam se aproximarem daquele que habita em luz inacessível. Esta será a condenação deles:
19  O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más (Jo 3.19).
Mas os limpos de coração, os regenerados em Cristo receberão grande recompensa pelas suas lutas aqui neste mundo para permanecerem limpos: eles verão a Deus. Eles viverão na presença de Deus. É o noivo na presença da noiva para as festas das bodas, uma festa que jamais terá fim. Não sei se olharemos diretamente para Deus quando estivermos lá. De qualquer forma a bem-aventurança não está ligada na visão em si, mas ao maravilhoso e indescritível prazer de desfrutar da presença de Deus. E termino com as palavras do salmista que diz:
12  Ao homem que teme ao SENHOR, ele o instruirá no caminho que deve escolher (Sl 25.12).
Jesus é o maravilhoso pastor que apascenta as suas ovelhas sem se esquecer de nenhuma sequer.
Conclusão
O objetivo de todo cristão deve ser o de buscar uma vida de santidade e de pureza, sabendo que há uma promessa indizível para ele: Ver a Deus. E para permanecer na presença de Deus, é necessário ter pureza de coração. Pela Palavra de Deus entendemos que ninguém nasce puro, mas que pode tornar-se um pela fé em Cristo Jesus, cujo sangue derramado pode purificar nosso coração de todo pecado. A prova de que alguém foi purificado é viver em constante luta contra o pecado, buscando sempre obedecer à vontade de Deus.
A consequência disso é ver a Deus. E ver a Deus representa receber todas as bênçãos possíveis! É algo que está além das possibilidades! É algo que vai além da razão! É a felicidade mais indescritível que pode existir! Não é possível, nesta carne, sequer imaginar qual deve ser a intensidade da felicidade sentida por alguém ao apresentar-se diante de Deus, puro, agradecido por causa de Jesus, e contemplar a majestade do Rei dos Reis e Senhor dos Senhores.

Sejamos fiéis à Palavra de Deus e não nos deixemos levar por uma mente carnal, tomando atitudes carnais que não cooperam, em nada, para dignificar a nossa fé. Vamos ser limpos de coração, equilibrados e fervorosos em nossas orações, agradecendo ao Senhor por tudo, pois hoje Ele está perto de nós e amanhã estaremos em Sua adorável presença. Que Deus assim nos abençoe! Amém!
Luiz Lobianco
luizlobianco@hotmail.com
Bibliografia:
Bíblia Sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil. Sociedade Bíblica do Brasil.