sexta-feira, 26 de agosto de 2016

A RELEVÂNCIA DO EVANGELHO AO MUNDO MODERNO

1  Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis,
2  pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes,
3  desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem,
4  traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus,
5  tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder. Foge também destes (2 Tm 3.1-5).
Introdução
A secularização tem sido uma das coisas que mais tem contribuído para o esfriamento da fé nos últimos tempos. E o que significa secularização? É a atitude de viver sem levar em conta a existência de Deus. É considerar sem valor e sem importância o religioso.
A secularização é um ateísmo prático. Quem tem um estilo de vida secularizado, exclui de sua vida a Deus e o substituí por sucesso, poder, aceitação social, sexo, alguma filosofia ou qualquer outra coisa que venha a ocupar o lugar de Deus. Isso faz do secularismo uma filosofia antirreligiosa. Mas nos últimos tempos, o mundo tem observado um fenômeno muito curioso: por um lado, cresce o interesse em manifestações religiosas de toda espécie, enquanto que ao mesmo tempo, a sociedade se torna cada vez mais secularizada. O Salmo 53 nos fala desta corrupção generalizada na sociedade:
1  Diz o insensato no seu coração: Não há Deus. Corrompem-se e praticam iniqüidade; já não há quem faça o bem.
2  Do céu, olha Deus para os filhos dos homens, para ver se há quem entenda, se há quem busque a Deus.
Todos se extraviaram e juntamente se corromperam; não há quem faça o bem, não há nem sequer um (Sl 53.1-3).
Segundo o lamento do salmista, estas pessoas são de mente fechada e vivem como se Deus não existisse. O salmo é uma verdadeira crítica a quem tem um estilo de vida secularizado. E quem vive assim, sem Deus para amar e temer, com certeza cai na iniquidade. É o que o lamento do salmista diz:
3  Todos se extraviaram e juntamente se corromperam; não há quem faça o bem, não há nem sequer um (Sl 53.3).
Mas como a sociedade chegou a este ponto? Deve a Igreja se surpreender com isso? Que atitudes ela deve tomar diante da secularização? É o que vamos estudar hoje.
01 – A SOCIEDADE DOS ÚLTIMOS DIAS
Em que condição moral a Bíblia diz que estará a nossa sociedade nos últimos dias? Existe uma grande dificuldade nas pessoas em acreditar que estamos vivendo nos últimos dias da História desta Terra. Mas o relato de Paulo ao jovem Timóteo nos deixa claro o quanto está perto a volta de Cristo:
1  Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis,
pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes,
desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem,
traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus (2 Tm 3.1-4).
Essa passagem parece uma típica manchete diária nos dias de hoje! O egoísmo das pessoas nos dias de hoje chega a nos surpreender. É assustador notar o quanto as pessoas estão cada vez mais alheias ao sofrimento e a dor de seu próximo. A sociedade hoje vive como aquele velho ditado: Cada um por si e Deus para todos.  Note bem as três coisas que diz que o povo adorará nos últimos dias: a si mesmos, ao dinheiro e ao prazer.
O amor de si mesmo é o Humanismo, que é o crer que o homem pode realizar qualquer coisa. O amor ao dinheiro é o Materialismo. E quando o Humanismo é a religião, o seu deus sempre será o dinheiro. O amor ao prazer é o terceiro prazer que é mencionado. Esse prazer é o Hedonismo. E o Hedonismo é o estilo de vida que sempre será produzido pelo Humanismo e pelo Materialismo. Mas Deus não se deixa ser ridicularizado, pois a Bíblia diz:
7  Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará (Gl 6.7).
Deus faz com que, quando o homem escolhe o Humanismo, o Materialismo, e o Hedonismo para viver, a recompensa seja a colheita de sua própria semeadura, a consequência de suas próprias atitudes. E não é isso mesmo que vemos em nossos dias? Há uma postagem que circula pela internet que ilustra muito bem isso. É a resposta da filha de Billy Graham quando estava sendo entrevistada no Early Show e Jane Clayson perguntou a ela: Como é que DEUS teria permitido algo horroroso assim acontecer no dia 11 de setembro? Anne Graham deu uma resposta extremamente profunda e sábia. Ela disse:
Eu creio que DEUS ficou profundamente triste com o que aconteceu, tanto quanto nós. Por muitos anos nós temos dito para Deus não interferir em nossas escolhas, sair do nosso governo e sair de nossas vidas. Sendo um cavalheiro como Deus é, creio que Ele calmamente nos deixou. Como poderemos esperar que Deus nos dê a Sua bênção e Sua proteção se nós exigimos que Ele não se envolva mais conosco? Eu creio que tudo começou desde que Madeline Murray O’ Hare se queixou de que era impróprio se fazer oração nas escolas americanas como se fazia tradicionalmente, e nós concordamos com a sua opinião. Depois disso, alguém disse que seria melhor também não ler mais a Bíblia nas escolas… A Bíblia que nos ensina que não devemos matar, não devemos roubar, e devemos amar o nosso próximo como a nós próprios. E nós concordamos. Logo depois, o Dr. Benjamin Spock disse que não deveríamos bater em nossos filhos quando eles se comportassem mal, porque suas personalidades em formação ficariam distorcidas e poderíamos prejudicar sua auto-estima. E nós dissemos: “um perito nesse assunto deve saber o que está falando”, e então concordamos com ele. Depois alguém disse que os professores e os diretores das escolas não deveriam disciplinar os nossos filhos quando eles se comportassem mal. Os administradores escolares, então, decidiram que nenhum professor em suas escolas deveria tocar em um aluno quando se comportasse mal, porque não queriam publicidade negativa, e não queriam ser processados. E nós concordamos com tudo. Aí alguém sugeriu que deveríamos deixar que nossas filhas fizessem aborto, se elas assim o quisessem, e que nem precisariam contar aos pais. E nós aceitamos essa sugestão sem ao menos questioná-la. Em seguida algum membro da mesa administrativa escolar muito sabido disse que, como rapazes serão sempre rapazes, e que como homens iriam acabar fazendo o inevitável, que então deveríamos dar aos nossos filhos tantas camisinhas quantas eles quisessem, para que eles pudessem se divertir à vontade, e que nem precisaríamos dizer aos seus pais que eles as tivessem obtido na escola. E nós dissemos, “está bem”. Depois alguns dos nossos oficiais eleitos mais importantes disseram que não teria importância alguma o que nós fizéssemos em nossa privacidade, desde que estivéssemos cumprindo com os nossos deveres. Concordando com eles, dissemos que para nós não faria qualquer diferença o que uma pessoa fizesse em particular, incluindo o nosso presidente da República, desde que o nosso emprego fosse mantido e a nossa economia ficasse equilibrada. Então alguém sugeriu que imprimíssemos revistas com fotografias de mulheres nuas, e disséssemos que isto é uma coisa sadia, e uma apreciação natural da beleza do corpo feminino. E nós também concordamos. Depois uma outra pessoa levou isto um passo mais adiante e publicou fotos de crianças nuas e foi mais além ainda, colocando-as à disposição na Internet. E nós dissemos, “está bem, isto é democracia, e eles têm direito de ter a liberdade de se expressar e fazer isso”. A indústria de entretenimento então disse: “Vamos fazer shows de TV e filmes que promovam profanação, violência e sexo ilícito. Vamos gravar música que estimule o estupro, drogas, assassínio, suicídio e temas satânicos” E nós dissemos: “Isto é apenas diversão, e não produz qualquer efeito prejudicial. Ninguém leva isso a sério mesmo, então, que façam isso! ” Agora nós estamos nos perguntando por que nossos filhos não têm consciência, e por que não sabem distinguir entre o bem e o mal, o certo e o errado, por que não lhes incomoda matar pessoas estranhas ou seus próprios colegas de classe ou a si próprios… Provavelmente, se nós analisarmos tudo isto seriamente, iremos facilmente compreender: Nós colhemos exatamente aquilo que semeamos! Uma menina escreveu um bilhetinho para Deus, dizendo: “Senhor, por que não salvaste aquela criança na escola? ” A resposta Dele seria: “Querida criança, não me deixam entrar nas escolas! ” Do Seu Deus.
É triste como as pessoas simplesmente culpam DEUS e não entendem por que o mundo está indo a passos largos para o inferno. É triste como cremos em tudo que os jornais e a TV dizem, mas duvidamos do que a Bíblia nos diz. É triste como todo o mundo quer ir para o céu, desde que não precise crer, nem pensar ou dizer qualquer coisa que a Bíblia ensina. É triste como alguém diz: “Eu creio em DEUS”, mas ainda assim segue a Satanás, que por sinal, também “crê” em DEUS.
Não é difícil enxergar o desespero em que vive o mundo de hoje. Vivemos numa sociedade atormentada pelo aborto, pelo homossexualismo, pela violência, pelo assédio de crianças, pela blasfêmia, pela pornografia, pelo alcoolismo e pelo abuso de drogas. E tudo isso por quê? Porque viraram as costas para Deus. Porque abandonaram a Deus. Porque não há lugar para Deus em suas vidas. E quando Deus não está presente, o homem vive mergulhado em sua perdição. Esta atitude da sociedade de viver sem levar em conta a existência de Deus está muito bem expressa em uma passagem encontrada em 2 Timóteo:
3  Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos;
e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas (2 Tm 4,3,4).
Como nos dias dos Juízes no Antigo Testamento, as pessoas hoje estão fazendo o que é certo aos seus próprios olhos, seguindo cada um o seu próprio caminho, seguindo os seus próprios conselhos, chamando o mal de bem e ao bem de mal. Não aceitam em hipótese alguma serem orientados pela Palavra de Deus, que para eles é velha e ultrapassada. O resultado disso é a condenação de Deus:
20  Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal; que fazem da escuridade luz e da luz, escuridade; põem o amargo por doce e o doce, por amargo! (Is 5.20).
Diante deste quadro podemos entender porque as pessoas não veem a vida hoje na perspectiva da fé cristã. O fato da sociedade, hoje, viver uma vida secularizada, explica tanto sua transformação de natureza sentimental, pois não existe mais nas pessoas o sentimento de piedade, quanto a diminuição da influência da fé. E este quadro traz grandes consequências para a missão da Igreja neste mundo.
02 – A SECULARIZAÇÃO DA IGREJA NOS ÚLTIMOS DIAS
A palavra secularização identifica um fenômeno histórico dos últimos séculos, pelo qual as crenças e instituições religiosas se converteram em doutrinas filosóficas e instituições levianas. Isso tem afetado diretamente a Igreja. A secularização da Igreja que presenciamos hoje em dia é um processo lento, sutil e bem elaborado. Sua atuação quase nunca é percebida pelo cristão distraído ou absorvido pela vida secular. Na verdade, para este cristão, a secularização lhe parece muito natural e inofensiva.
A secularização atua como cupins num móvel, ninguém os vê a menos que esteja atento e olhando de perto, até que chega um dia em que uma porta ou uma gaveta cai quando se tenta abrir e então já se terá perdido toda a mobília. De igual forma, as coisas mundanas adentram o rebanho de Deus, o qual, se estiver se consagrando e se dedicando ao seu Criador, logo a detectam e a eliminam de seu meio, mas caso contrário, é bem possível que sejam recebidas com folguedo e entusiasmo.
Este processo demoníaco, no entanto, tem sido já há muito denunciado pela Palavra de Deus, que tem chamado o povo de Deus ao despertamento e à fuga do ócio venenoso que os deixam sem tempo para orar, jejuar, interceder e comungar com os irmãos, mas com horas inteiras para gastar com outros mestres onde trabalha, estuda, ou na sala de sua casa diante de um aparelho de tv. A Bíblia diz claramente que haverá uma grande apostasia nos últimos dias. Apostasia é a rejeição e o afastamento da sã doutrina bíblica. Eis o que diz a Bíblia:
1  Irmãos, no que diz respeito à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com ele, nós vos exortamos
2  a que não vos demovais da vossa mente, com facilidade, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como se procedesse de nós, supondo tenha chegado o Dia do Senhor.
3  Ninguém, de nenhum modo, vos engane, porque isto não acontecerá sem que primeiro venha a apostasia e seja revelado o homem da iniqüidade, o filho da perdição,
o qual se opõe e se levanta contra tudo que se chama Deus ou é objeto de culto, a ponto de assentar-se no santuário de Deus, ostentando-se como se fosse o próprio Deus.
5  Não vos recordais de que, ainda convosco, eu costumava dizer-vos estas coisas?
6  E, agora, sabeis o que o detém, para que ele seja revelado somente em ocasião própria.
7  Com efeito, o mistério da iniqüidade já opera e aguarda somente que seja afastado aquele que agora o detém;
8  então, será, de fato, revelado o iníquo, a quem o Senhor Jesus matará com o sopro de sua boca e o destruirá pela manifestação de sua vinda.
9  Ora, o aparecimento do iníquo é segundo a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais, e prodígios da mentira,
10  e com todo engano de injustiça aos que perecem, porque não acolheram o amor da verdade para serem salvos.
11  É por este motivo, pois, que Deus lhes manda a operação do erro, para darem crédito à mentira,
12  a fim de serem julgados todos quantos não deram crédito à verdade; antes, pelo contrário, deleitaram-se com a injustiça (2 Ts 2.1-12).
O texto diz que chegará um tempo nos últimos dias quando os fundamentos da doutrina cristã serão secularizados e derribados pela aceitação do erro e da heresia. Os homens esquecerão o ensino bíblico sadio. Não há nenhuma dúvida de que estamos vivendo atualmente nesses dias, pois estamos vivendo em dias de uma terrível apostasia da sã doutrina bíblica e dos valores de Deus.
E adivinhe quem Satanás está utilizando para liderar essa tendência para a apostasia? São os pastores que secularizam a fé e que realmente não estão nem aí para a sã doutrina. Eles rejeitam a sã doutrina e estão desejosos de agradar e de alcançar a aprovação dos homens, e nem querem saber se estão caminhando em obediência a Deus e à firmeza de Sua Palavra, a Bíblia. Jesus mencionou com muita frequência os falsos cristos e suas religiões falsas:
5  Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos.
11  levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos.
24  porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos (Mt 24.5,11,24).
Portanto, a vinda do anticristo é um sinal do fim. A Bíblia diz
18  Filhinhos, já é a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também, agora, muitos anticristos têm surgido; pelo que conhecemos que é a última hora (1 Jo 2.18).
Nos últimos dias haverá homens fazendo-se passar por Jesus para nos enganar. Nos últimos tempos temos tido uma explosão de religiões falsas cumprindo as profecias. A Bíblia ensina que muitas das profecias dos últimos dias não serão entendidas até que o tempo chegue para elas serem cumpridas. E isso é exatamente o que tem acontecido nos dias de hoje. Desenvolvimentos históricos nos ajudam, hoje, a entendermos profecias dos últimos dias. Por exemplo, Israel! Toda profecia quanto aos últimos dias tem a ver com a nação de Israel. Mas como poderiam ser entendidas essas profecias enquanto Israel não existia e não havia nem a possibilidade de a nação existir novamente algum dia? Pedro nos diz:
1  Amados, esta é, agora, a segunda epístola que vos escrevo; em ambas, procuro despertar com lembranças a vossa mente esclarecida,
2  para que vos recordeis das palavras que, anteriormente, foram ditas pelos santos profetas, bem como do mandamento do Senhor e Salvador, ensinado pelos vossos apóstolos,
3  tendo em conta, antes de tudo, que, nos últimos dias, virão escarnecedores com os seus escárnios, andando segundo as próprias paixões
4  e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque, desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação (2 Pd 3.1-4).
A demora na volta de Cristo é um fator determinante para a apostasia. O fato da volta de Cristo estar sendo anunciada desde a sua ascensão ao céu e, depois de dois milênios, Ele não ter voltado ainda, tem sido motivo de muitos acharem que Ele não voltará mais. Mas a demora não consiste na falha da promessa, no esquecimento de Deus ou em qualquer impossibilidade que exista para a volta de Jesus, mas tão somente na longanimidade de Deus, que aguarda a consumação dos tempos em que será completado o número daqueles que hão de ser salvos. Pense que, se Jesus tivesse voltado a cem anos atrás, eu teria ficado de fora desta promessa e creio que você também. Então, não temos que pensar no tempo da vinda de Cristo, mas, sim, em o que fazer enquanto Ele não volta.
A esperança de todo aquele que crê em Jesus, que ama a Deus e que acredita, sem reservas, na Sua existência e no Seu poder, está na volta de Jesus. Não deve haver anseio maior no coração do cristão do que erguer os olhos aos céus e ver o sinal do Filho do Homem voltando das nuvens.  A grandeza desta esperança está no fato de que os que já estiverem mortos no dia do Senhor serão ressuscitados e estarão voltando com Ele.  Já os que ainda estiverem vivos, serão arrebatados até ao Senhor Jesus.
A volta de Cristo deve representar para a Igreja sempre a esperança, e nunca ser um argumento para a secularização, um elemento de desmotivação à fé. A Igreja não pode se deixar influenciar por esta filosofia diabólica. Para que a Igreja não se secularize, ela deve sempre levar a sério a advertência bíblica de não se conformar com o presente século:
E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Rm 12.2).
Para finalizar, vamos reforçar lembrando que o ser humano tem um alto poder de adaptação, ou seja, consegue se adaptar e aceitar as mais adversas situações, desde que lhe seja dado o tempo necessário. Assim, vemos que muitas coisas, claramente profanas e até monstruosas, como por exemplo a aparência vermelha, de tridente e chifres a Satanás, nosso maior adversário, que já não apavora a muitos por já estarem familiarizados com ele nos filmes de terror, demonstrando como a artimanha do diabo pode ser silenciosa no funcionamento e ao mesmo tempo eficiente nos resultados. De forma semelhante, o mau, quando administrado com cuidado, consegue se infiltrar na Igreja usando este método, pois os cristãos vão se acostumando com a sua aparência, a princípio inofensiva, e toleram-no, sem perceber sua discreta evolução e crescimento.
03 – A PERSEVERANÇA DA IGREJA EM SUA MISSÃO
Como a Igreja deve agir diante da secularização, diante do desinteresse pela sociedade por Deus, diante do egoísmo dos homens de querer servir a Deus, mas continuar com suas vidas profanas, diante da pressão cada vez mais de seus membros de “atualização” e relaxamento da doutrina? A perseverança é a palavra-chave.
13  Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo.
14  E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim (Mt 24.13,14).
Jesus deixa claro nesse trecho que aqueles que perseverarem até o fim serão salvos. Jesus faz a ligação dessa perseverança com a pregação das boas novas do reino de Deus. Fica evidente que devemos perseverar na pregação do Evangelho. Essa é a nossa principal missão aqui: pregar o Evangelho a toda criatura. E o que deve a Igreja fazer quando ver os sinais da apostasia? A Bíblia diz:
42  Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor.
43  Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que hora viria o ladrão, vigiaria e não deixaria que fosse arrombada a sua casa.
44  Por isso, ficai também vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá.
45  Quem é, pois, o servo fiel e prudente, a quem o senhor confiou os seus conservos para dar-lhes o sustento a seu tempo?
46  Bem-aventurado aquele servo a quem seu senhor, quando vier, achar fazendo assim.
47  Em verdade vos digo que lhe confiará todos os seus bens.
48  Mas, se aquele servo, sendo mau, disser consigo mesmo: Meu senhor demora-se,
49  e passar a espancar os seus companheiros e a comer e beber com ébrios,
50  virá o senhor daquele servo em dia em que não o espera e em hora que não sabe
51  e castigá-lo-á, lançando-lhe a sorte com os hipócritas; ali haverá choro e ranger de dentes (Mt 24.42-51).
Além de perseverar, a Igreja deve vigiar constantemente. Estamos em uma guerra, baixar as defesas significa abrir a porta de oportunidade para o inimigo, ele é feroz, impiedoso e oportunista. Qualquer vacilo pode significar perdas. E o que disse Jesus sobre quando o fim do mundo chegaria? A Bíblia diz:
14  E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim (Mt 24.14).
Isso nos mostra que não serão todas as igrejas corruptas e os cristãos não devem viver enfurnados em suas casas. Devemos nos reunir regularmente com os outros cristãos, participando de um uma igreja fundamentada na Bíblia e que reverencie a Deus, apesar de que as igrejas fundamentadas na Bíblia e onde há reverência ao nome de Deus estão se tornando cada vez mais raras nestes últimos dias. Isso nos conduz a um outro alerta de Cristo:
7  Não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que a ele clamam dia e noite, embora pareça demorado em defendê-los?
8  Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça. Contudo, quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra (Lc 18.7,8)?
É muito contumaz a advertência de perseverarmos e permanecermos na sã doutrina. Muitos pastores esqueceram-se de Deus e da sã doutrina e levam suas igrejas às falsas doutrinas e a uma grande secularização, o que tem tornado cada vez mais difícil para uma família encontrar uma igreja que reverencie a Deus, onde todos possam amadurecer e crescer em Cristo.
Estamos atualmente vivendo nos dias quando os homens rejeitarão a sã doutrina. Não somente muitos que chamam a si mesmos de “cristãos” rejeitam a sã doutrina, mas também muitos que se atrevem chamar a si mesmos de “pastores”. Esses maus pastores causam grandes danos à igreja e já feriram muitas pessoas do povo de Deus. Os pastores têm poder; podem levar o povo mais para perto de Deus e torná-lo mais forte, ou podem fazer o contrário. Há um exemplo disso quando Jesus falou:
13  E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração; vós, porém, a transformais em covil de salteadores (Mt 21.13).
Esse verso tem um significado real nos dias de hoje à luz da crescente tendência à apostasia. Deus não quer que seu templo seja um covil de ladrões, quer que seja um lugar santo, ao qual as pessoas possam vir e humildemente adorar a Deus. Entretanto, os líderes religiosos o transformaram em outra coisa. O versículo diz, "vós, porém, a transformais" referindo-se ao fato de que os líderes religiosos permitiram que o templo deixasse de ser uma casa de oração para se tornar um covil de ladrões. Deus atribui a responsabilidade por essa mudança aos líderes religiosos, que deveriam ter mais discernimento.
Esse verso tem uma aplicação muito importante para hoje! Poucos pastores encaram seu trabalho com seriedade. A maioria está preocupada em buscar os louvores dos homens, jactando-se dos grandes números obtidos nos cultos, e outros estão enriquecendo e vivendo como filhos do Rei. Muito diferente de Paulo, que jamais procurou agradar aos homens:
10  Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo (Gl 1.10).
Tudo realmente se resume a ser um servo de Deus e um bom mordomo das doutrinas fundamentais do cristianismo. Quando estivermos diante de Jesus Cristo, precisaremos prestar contas sobre as coisas que fizemos na terra. Tudo que devemos ansiar é ouvir dos lábios de Jesus Cristo:
21  Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor (Mt 25.21).
E ainda:
34  então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo (Mt 25.34).
Este dever ser o nosso maior objetivo. Mas, se não perseverarmos e vigiarmos ouviremos aquelas tristes palavras:
26  Respondeu-lhe, porém, o senhor: Servo mau e negligente... (Mt 25.26).
E também:
41  Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos (Mt 25.41).
A Igreja foi e é composta dos salvos, dos remidos de Cristo para perseverar na sua missão de pregar o Evangelho, pregar vivendo nos princípios da Palavra de Deus, pregar falando destes princípios e pregar servindo fielmente ao Senhor Jesus Cristo, Seu redentor. Esse é o desejo do coração de Deus. Esse deve ser o desejo de nossos corações.
Conclusão
Obedecer a Deus é hoje nosso maior desafio. É muito importante que tomemos uma posição de obediência diante de Deus. Se você é um pastor e não pode justificar o seu ministério diante de Deus com uma consciência limpa, então, por que ainda é pastor? Não sabe que será julgado com muita severidade se ferir e desencaminhar o povo que Deus resgatou com seu próprio sangue?
É hora de tomar uma posição. Se você tem sido liberal, então, endireite-se. Arrependa-se diante de Deus e determine no seu coração que daqui para frente será um bom mordomo de Cristo. Não endureça o seu coração nem recuse a correção de Deus. Que Deus assim te abençoe! Amém!
Luiz Lobianco
luizlobianco@hotmail.com
Bibliografia:
Bíblia Sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil. Sociedade Bíblica do Brasil.