sábado, 11 de fevereiro de 2017

ESTUDO DO LIVRO DE OBADIAS: V – OS PROPÓSITOS DO LIVRO E AS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS QUE ELE NOS OFERECE

1  Visão de Obadias. Assim diz o SENHOR Deus a respeito de Edom: Temos ouvido as novas do SENHOR, e às nações foi enviado um mensageiro que disse: Levantai-vos, e levantemo-nos contra Edom, para a guerra.
2  Eis que te fiz pequeno entre as nações; tu és mui desprezado.
3  A soberba do teu coração te enganou, ó tu que habitas nas fendas das rochas, na tua alta morada, e dizes no teu coração: Quem me deitará por terra?
4  Se te remontares como águia e puseres o teu ninho entre as estrelas, de lá te derribarei, diz o SENHOR.
5  Se viessem a ti ladrões ou roubadores de noite (como estás destruído!), não furtariam só o que lhes bastasse? Se a ti viessem os vindimadores, não deixariam pelo menos alguns cachos?
6  Como foram rebuscados os bens de Esaú! Como foram esquadrinhados os seus tesouros escondidos!
7  Todos os teus aliados te levaram para fora dos teus limites; os que gozam da tua paz te enganaram, prevaleceram contra ti; os que comem o teu pão puseram armadilhas para teus pés; não há em Edom entendimento.
8  Não acontecerá, naquele dia, diz o SENHOR, que farei perecer os sábios de Edom e o entendimento do monte de Esaú?
9  Os teus valentes, ó Temã, estarão atemorizados, para que, do monte de Esaú, seja cada um exterminado pela matança.
10  Por causa da violência feita a teu irmão Jacó, cobrir-te-á a vergonha, e serás exterminado para sempre.
11  No dia em que, estando tu presente, estranhos lhe levaram os bens, e estrangeiros lhe entraram pelas portas e deitaram sortes sobre Jerusalém, tu mesmo eras um deles.
12  Mas tu não devias ter olhado com prazer para o dia de teu irmão, o dia da sua calamidade; nem ter-te alegrado sobre os filhos de Judá, no dia da sua ruína; nem ter falado de boca cheia, no dia da angústia;
13  não devias ter entrado pela porta do meu povo, no dia da sua calamidade; tu não devias ter olhado com prazer para o seu mal, no dia da sua calamidade; nem ter lançado mão nos seus bens, no dia da sua calamidade;
14  não devias ter parado nas encruzilhadas, para exterminares os que escapassem; nem ter entregado os que lhe restassem, no dia da angústia.
15  Porque o Dia do SENHOR está prestes a vir sobre todas as nações; como tu fizeste, assim se fará contigo; o teu malfeito tornará sobre a tua cabeça.
16  Porque, como bebestes no meu santo monte, assim beberão, de contínuo, todas as nações; beberão, sorverão e serão como se nunca tivessem sido.
17  Mas, no monte Sião, haverá livramento; o monte será santo; e os da casa de Jacó possuirão as suas herdades.
18  A casa de Jacó será fogo, e a casa de José, chama, e a casa de Esaú, restolho; aqueles incendiarão a este e o consumirão; e ninguém mais restará da casa de Esaú, porque o SENHOR o falou.
19  Os de Neguebe possuirão o monte de Esaú, e os da planície, aos filisteus; possuirão também os campos de Efraim e os campos de Samaria; e Benjamim possuirá a Gileade.
20  Os cativos do exército dos filhos de Israel possuirão os cananeus até Sarepta, e os cativos de Jerusalém, que estão em Sefarade, possuirão as cidades do Sul.
21  Salvadores hão de subir ao monte Sião, para julgarem o monte de Esaú; e o reino será do SENHOR (Ob 1.1-21).
Introdução
Estudamos a história de Isaque e Rebeca e de seus filhos gêmeos, Esaú e Jacó. Estudamos também a mágoa e o ressentimento de Esaú, irmão de Jacó, mágoa essa repassada às suas gerações e guardada pelo povo edomita, descendentes de Esaú, em relação à nação de Israel. Vimos ainda as consequências de todos esses ressentimentos. Analisamos, por último, o juízo de Deus contra a casa de Esaú e como este juízo se remete às nações, de forma que o livro de Obadias nos conduz para o último dia, o Dia do Senhor, o dia do julgamento final de Deus. Agora, estamos preparados para estudar sobre os propósitos deste livro e por fim tiraremos algumas aplicações práticas para nossas vidas.
Duas coisas chamam a atenção no livro de Obadias: O julgamento divino e o Reino divino. Quanto ao julgamento divino, o livro todo é um julgamento divino contra Edom, mas não somente contra ela, como também a todas as nações que se levantam contra Deus e contra o seu povo. E quanto ao Reino divino, o final dessa profecia diz que todos os reinos que se levantam contra Deus e contra o seu povo vão cair. O livro termina dizendo:
21  Salvadores hão de subir ao monte Sião, para julgarem o monte de Esaú; e o reino será do SENHOR.
Diante disso, há alguns propósitos muito importantes no livro de Obadias que vamos estudar nesta lição. Vamos a eles.
1 – OS PROPÓSITOS DO LIVRO DE OBADIAS
Quais são estes propósitos?
A – Mostrar que Deus Tem Zelo Pelo Povo de Sua Aliança
A doutrina mais linda da Bíblia é a doutrina da Aliança. Quando Adão e Eva pecaram Deus os expulsou do Jardim do Éden, mas não sem antes firmar com eles um Pacto, prometendo desde lá a vinda de um Salvador. Este Pacto se renovou com Noé e por fim se consolidou com Abraão. Depois de quatro séculos da permanência de Israel no Egito, Deus se lembrou de sua Aliança com Abrão, de que daria aos seus descendentes a terra de Canaã. Deus havia avisado a Abraão de que seus descendentes passariam quatrocentos anos no Egito e prometeu que os salvaria. Então, cumprido o tempo determinado, Deus viu o sofrimento do seu povo no Egito e os libertou de sua escravidão.
Quando o Senhor tirou seu povo do Egito através de Moisés, Ele renova novamente sua aliança com este povo para que pertencessem a Deus. A base desta versão da Aliança Mosaica era o culto. Servir a Deus e cultuá-lo era o centro desta Aliança. Era a Aliança do perdão, representado no sangue do cordeiro que deveria ser sacrificado pelos pecados do povo. Também era a Aliança da adoração, representada pela Arca da Aliança. E era, ainda, a Aliança da obediência, representada pelas tábuas da Lei. Embora esta Aliança tenha sido feita com Moisés, ou através deste, não era uma Aliança com uma pessoa apenas e sim com todo o povo. Foi um pacto coletivo onde as ordenanças do Senhor eram declaradas e o povo aderia a elas prometendo servir a Deus sendo fieis e obedientes a Ele.
Nesta versão da Aliança o culto era tão importante que havia um dia especial para cultuar a Deus inteiramente, que era o sábado. Houve também um lugar especial para adorar a Deus, que foi o Tabernáculo. E estabeleceu-se uma forma correta de servir a Deus, que foi o Sacrifício, como também pessoas especiais foram separadas para servir a Deus ministrando ao povo, que eram os Sacerdotes e Levitas.
Em sua última versão da Aliança ela é renovada em Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus, através do sangue da Aliança. Este último sacrifício, o sangue de Cristo, foi tão perfeito e suficiente que baniu os sacrifícios de animais. Esta Aliança não se limitou ao povo de Israel, mas entendeu-se as nações gentílicas, que são todas as nações não judias. Não é linda a doutrina da Aliança? Ela nos mostra o amor e a Soberania de Deus na História.
No livro de Obadias encontramos Babilônia invadindo Judá, quase que exterminando o povo e levando os sobreviventes cativos para Babilônia, e encontramos Edom, colaborando com os babilônios. Esqueceu-se Deus de Sua Aliança? Claro que não! Quando Babilônia invade Judá foi porque Judá havia pecado contra Deus transgredindo os princípios da Aliança. Não foi Nabucodonosor quem invadiu Judá, foi Deus quem a entregou em suas mãos. Mas o fato do Senhor estar disciplinando Judá de uma maneira tão dolorosa, não significa que Ele deixou de amá-lo e que tenha desistido do seu povo e se esquecido de Sua Aliança, pois no decorrer da História vamos ver que os invasores se sentem fortes, mas os acontecimentos vão tomar um outro rumo: Os poderosos vão descer e os oprimidos vão se fortalecer, pois Deus restaura Judá, mas não restaura nem Babilônia e nem Edom.
17  Mas, no monte Sião, haverá livramento; o monte será santo; e os da casa de Jacó possuirão as suas herdades.
18  A casa de Jacó será fogo, e a casa de José, chama, e a casa de Esaú, restolho; aqueles incendiarão a este e o consumirão; e ninguém mais restará da casa de Esaú, porque o SENHOR o falou.
Deus não restaura Judá porque ela era melhor do que Babilônia ou melhor que Edom, mas porque na Sua Soberania o amou com amor eterno. Por que Deus ama a mim e a você? Por que Deus escolheu a mim e a você e pode não ter escolhido ao seu vizinho ou ao seu amigo? Não sei! Só sei que não é porque somos melhores do que eles, mas porque Deus tem compromisso com a Sua Aliança de amor, porque Deus fez uma Aliança conosco, de Ele ser o nosso Deus e nós o seu povo. E Deus é fiel as suas alianças ainda que nós sejamos infiéis.
Hoje, muitos cristãos querem um relacionamento unilateral com Deus no sentido de apenas receber bênçãos do Senhor, mas seus corações estão longe de uma entrega total a Cristo, de forma que Ele seja o Senhor de suas vidas, pois estão longe de uma pronta obediência a Deus. Mas como Deus exigiu do povo de Israel a obediência como consequência de adesão à Aliança, devemos também servir a Deus com obediência, fazendo algo para Seu Reino de acordo com a Sua vontade.
B – Mostrar que o Orgulho Precede a Ruína
O povo de Edom morava em uma cidade estratégica, em uma fortaleza de rocha maciça, às margens do Mar Vermelho, perto do Mar Morto. Para entrar na cidade de Sela, cidade dos edomitas, que depois de invadida foi chamada de Petra, havia somente uma entrada que cabiam somente dois cavaleiros aparelhados. Então, pensavam que nunca seriam invadidos, que nunca seriam dominados, que ninguém conseguiriam atingi-los por estarem encrustados em uma rocha nas alturas, e eles tinham orgulho disso. Mas conforme diz o verso 4, o Senhor falou:
4  Se te remontares como águia e puseres o teu ninho entre as estrelas, de lá te derribarei, diz o SENHOR.
E quando Deus fala pode ter certeza que assim se cumprirá. Edom não se curvou diante do Senhor, antes permaneceu em seu ódio e em sua soberba, e a soberba é a antessala do fracasso. Onde a soberba entra a derrota já está decretada. Deus derrubou a Babilônia e a Edom, e nos mostra com isso que a arrogância constrói estradas para o fracasso.
C – Mostrar que Ninguém Está Seguro Escarnecendo dos Princípios de Deus
Por que Edom caiu? Porque recusou-se a tratar seu irmão com amor, mas ao contrário, tratou-o com ódio. O ponto que Obadias trabalha é que Edom aproveitou o momento de fraqueza de seu irmão, quando este estava sendo pilhado e atacado. Este gesto despertou a ira de Deus que disse: chega! É como disse Amós:
11  Assim diz o SENHOR: Por três transgressões de Edom e por quatro, não sustarei o castigo, porque perseguiu o seu irmão à espada e baniu toda a misericórdia; e a sua ira não cessou de despedaçar, e reteve a sua indignação para sempre (Am 1.11).
Há um momento na vida de alguém, de uma família ou de uma nação, que Deus diz: basta! Chega! É o cálice que transborda! Naquele momento em que Edom estava entregando seus irmãos que fugiam, Deus decretou sua sentença contra ele e não tardou que Edom caísse nas mãos dos inimigos e fosse destruído.
Cuidado meu amigo para seu cálice não transbordar! Muitos vivem como que se nunca vão ter que prestar contas de suas atitudes e ações. Muitos vivem como em um pedestal, como que não houvesse nada e ninguém acima deles. Muitos cometem tantas loucuras e tantas abominações contra Deus sem o mínimo de temor, mas um dia Deus dirá: Basta! Nesta hora Deus chama para prestar contas! Você está preparado para prestar contas com Deus?! Acha que suportará este acerto de contas? Acha que conseguirá ludibriar Deus e safar-se das consequências? Você não acha melhor mudar de vida para evitar este confronto com o Deus Soberano?
D – Mostrar que Aquele que Semeia o Mal Colhe o Mal
O mal que aconteceu com Edom não veio por aquele que foi vitimado, ou seja, de Judá, mas pela própria Babilônia. A Bíblia diz que Deus é o Vingador e, às vezes, você não recebe o mal daquela pessoa a quem você fez o mal, mas você recebe o mesmo mal que fez vindo de outrem. Quando a Bíblia fala de vingança, fala de uma vingança justa, que vem do céu, que vem de Deus.
15  Porque o Dia do SENHOR está prestes a vir sobre todas as nações; como tu fizeste, assim se fará contigo; o teu malfeito tornará sobre a tua cabeça.
Ou seja, o mal que você fez, este mesmo mal, de alguma forma, te alcançará um dia. É aquilo que Paulo nos diz em Gálatas:
7  Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará (Gl 6.7).
Todos colhem o que semeiam. Não é fácil olhar para os políticos de nosso país e ver que eles não têm o mínimo de temor para falarem à nação. Sujos até o pescoço eles têm a audácia de se fazerem inocentes. O maioral deles chegou a dizer: “Não tem neste pais uma viva alma mais honesto que eu”. A justiça humana pode desprezar as palavras, mas a justiça divina jamais deixará impune as palavras mentirosas. Tudo está registrado nos livros de Deus e no tempo oportuno estes livros serão abertos pelo Supremo Juiz, só que este juiz jamais será subornado, jamais será manipulado e jamais deixará qualquer culpado impune.
Todos somos sabedores das atrocidades de Saddam Hussein e de Muammar al-Gaddafi. Foram anos de domínio, de guerras, de violências, de atentados e milhares de mortes e execuções. Mas um dia Deus falou: Basta! E todos nós vimos algo que dificilmente veremos de novo, a ação de Deus, o juízo de Deus na vida destes homens perante o mundo todo.
Hoje, vemos constantemente os vídeos postados do grupo terrorista estado islâmico com execuções sumárias. Este grupo parece já ter ultrapassado todos os limites, parece que o cálice deles diante de Deus já transbordou e muito. Mas maior que as atrocidades deste grupo é o amor, a paciência e a misericórdia de Deus. Entretanto, jamais podemos perder a esperança de que um dia Deus dirá: Basta! Chega! E o juízo de Deus sobre a vida destes homens venha à tona, e assim como eles espalharam pelo mundo inteiro as suas barbáries para que todos a vissem, quem sabe Deus não lhes pague com a mesma moeda e o mundo venha a contemplar a aplicação do juízo de Deus sobre eles.
Não que Deus esteja inerte a tudo isso que está acontecendo, que Deus não esteja se importando com o sofrimento daqueles que estão sob o domínio do grupo estado islâmico, não que Deus esteja apoiando as ações deste grupo, mas Deus tem agido na surdina, silenciosamente, e tem cobrado por cada gota de sangue derramado. Pode ter certeza disso! Muitos daqueles que se vangloriavam nos vídeos já foram mortos em algum momento desta guerra sem que a televisão filmasse, e assim como não pudemos ver o momento da mão retributiva de Deus na vida destes homens, não podemos ver os horrores que eles estão hoje passando no inferno.
E – Mostrar que, Ainda que Hoje Seja Humilhado, o Povo de Deus Triunfará
Quem olhasse para Judá no dia em que Babilônia estava invadindo e saqueando, poderia dizer que eles estavam liquidados, arrasados e destruídos; não havia mais a mínima chance deles se recuperarem. Mas o povo de Deus pode estar até humilhado, prostrado no chão, que será levantado das cinzas pelo próprio Deus. Isso aconteceu duas vezes na História: no Egito e na Babilônia. Houve um dia, depois de amargos anos de cativeiro, que Deus disse: Chega! Acabou! Abriu as portas da prisão, arrebentou as cadeias de opressão e devolveu aquele povo para sua terra e o levantou de novo. É Deus quem promete:
19  Os de Neguebe possuirão o monte de Esaú, e os da planície, aos filisteus; possuirão também os campos de Efraim e os campos de Samaria; e Benjamim possuirá a Gileade.
20  Os cativos do exército dos filhos de Israel possuirão os cananeus até Sarepta, e os cativos de Jerusalém, que estão em Sefarade, possuirão as cidades do Sul.
O povo de Deus é um povo vitorioso. Ele nasceu para vencer! Ele nasceu para possuir! Mas suas promessas não se limitam a este mundo, ela está na eternidade, lá sim iremos gozar da plenitude das promessas de Deus, pois quando Deus fazer das nações estrado de seus pés, conduzirá o Seu povo para a grande e final vitória. O segredo da força do povo de Deus não está no povo, mas em Deus. E com isso Obadias nos mostra outra importante lição:
F – Mostrar que O Reino de Deus Triunfará Sobre Todos os Reinos do Mundo
Obadias é um livro messiânico. Todos os reinos deste mundo são passageiros. Foi assim com o Egito, com a Assíria, com a Babilônia, com o Medo-Persa, com os Gregos e com Roma. E assim como todos os impérios deste mundo caiu, assim será com os dominadores da realidade, todos eles hão de cair porque são de barro. Mas a Bíblia diz que há um Reino que jamais será destruído e que dominará o mundo inteiro:
14  Pois a terra se encherá do conhecimento da glória do SENHOR, como as águas cobrem o mar (Hc 2.14).
Este reino é o Reino de Deus. Ele é superior a qualquer outro reino:
32  A cabeça era de fino ouro, o peito e os braços, de prata, o ventre e os quadris, de bronze;
33  as pernas, de ferro, os pés, em parte, de ferro, em parte, de barro.
34  Quando estavas olhando, uma pedra foi cortada sem auxílio de mãos, feriu a estátua nos pés de ferro e de barro e os esmiuçou.
35  Então, foi juntamente esmiuçado o ferro, o barro, o bronze, a prata e o ouro, os quais se fizeram como a palha das eiras no estio, e o vento os levou, e deles não se viram mais vestígios. Mas a pedra que feriu a estátua se tornou em grande montanha, que encheu toda a terra (Dn 2.32-35).
A consumação da vitória do Reino de Deus se dará na volta de Cristo:
15  O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no céu grandes vozes, dizendo: O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos (Ap 11.15).
Hoje, a Igreja de Jesus Cristo é o povo de Deus representado. Hoje, a Igreja de Deus é perseguida, massacrada, humilhada e está cada mês mais sufocada neste mundo. Mas a vitória final é dela, é de Deus. Aqueles que hoje martirizam os cristãos serão julgados e condenados na eternidade. Não quero estar na pele daqueles que um dia enfrentarão a Ira do Cordeiro por todos os males que fizeram a Sua Igreja. Deus pedirá contas! A Igreja, que hoje parece derrotada, se levantará das cinzas e triunfará sobre todos os seus inimigos. E sabe por que podemos ter certeza desse triunfo? Porque Obadias nos mostra isso:
G – Mostrar que A História Está Rigorosamente nas Mãos de Deus
Os edomitas pensaram que era a Babilônia que dominava o mundo, que era ela quem tinha as rédeas da História em suas mãos, por isso, uniram-se a ela, mas uniram-se do lado errado, porque quem estava com as rédeas nas mãos não era nem Babilônia e nem Edom, mas o Deus vivo. Ele está assentado no Trono, na sala de comando do Universo e dirige as nações, a Igreja e a sua vida.
Por isso não há acaso, não há determinismo, não há coincidência. Existe uma providência soberana, sábia e amorosa e o final da História é a vitória de Deus e do Seu Filho Jesus Cristo. É a vitória da Igreja do Deus vivo e nós fazemos parte dessa vitória. Tenha a certeza disso meu irmão! Não viva como um derrotado, erga a cabeça porque você é filho do Deus vivo, herdeiro daquele que possui o Céu e a Terra e você faz parte dessa vitória. Fique do lado certo. Fique do lado vencedor. Escolha Deus, fique com Deus, nem que isso custe a sua vida, porque no final você será recompensado com a maior e sublime vitória que este mundo já viu.
2 – IMPLICAÇÕES PRÁTICAS QUE O LIVRO DE OBADIAS NOS OFERECE
O livro de Obadias nos desafia a algumas implicações práticas, oportunas e atuais.
A – O Desafio de Crermos que Deus é o Senhor do Mundo
Que verdade bendita! O nosso Deus não é Senhor apenas da Igreja, não é um Deus limitado a apenas dentro dos templos; Ele é um Deus que reina em qualquer centímetro deste vasto Universo. Ele reina sobre todas as nações, seja ela poderosa ou pequenina. Ele reina sobre tudo e sobre todos.
Você crê nisso meu irmão? Você tem seus olhos fixos na Soberania de Deus ou na aparente vitória do mundo, na aparente vitória do Diabo? Se você olhar para o mundo se sentirá desanimado, desiludido, pois não encontrará motivação nenhuma de ficar do lado de Deus, afinal estes são hoje perseguidos, maltratados, incompreendidos, mas se você fixar seus olhos na Soberania de Deus verá que Deus levantará das cinzas os oprimidos, os mártires e os tornará vencedores.
B – O Desafio de Crermos no Dia do Senhor
Esse dia tem um aspecto histórico e outro escatológico. Quando você olha hoje e vê o ímpio prevalecer contra o santo, quando vê o violento prevalecer contra o manso, quando vê o forte esmagando o fraco, não pode presumir que o nosso Deus está apático, inativo, indiferente, conforme diz Sofonias:
12  Naquele tempo, esquadrinharei a Jerusalém com lanternas e castigarei os homens que estão apegados à borra do vinho e dizem no seu coração: O SENHOR não faz bem, nem faz mal (Sf 1.12).
Quantos não pensam assim hoje, que Deus está inativo, que Deus está indiferente. Deus não está nem inativo e nem indiferente, Ele está no Trono, Ele está registrando tudo em seu livro, as ações de cada um, as atitudes de cada um, as palavras de cada um de nós. Ele pode dar a impressão de que não está agindo, mas quando ele acordar, o ímpio é que estará desamparado. Quando o Dia do Juízo de Deus chegar, os ímpios vão pedir para as montanhas caírem sobre eles para os esconderem da ira daquele que está no Trono e ao Cordeiro.
Hoje, as coisas estão andando, estão correndo normalmente, conforme Jesus mesmo falou que aconteceria, pois Ele nos alertou que a Sua volta seria como nos dias de Noé, ninguém acreditou que as águas viriam até a primeira chuva, mas era tarde demais porque as portas da arca já haviam sido fechadas e lacradas.
Hoje, a porta da graça está aberta e qualquer um pode passar por ela, basta aceitar a Jesus Cristo como Salvador e Senhor de sua vida. Fazendo isso se tornará uma nova criatura, remida e salva pelo sangue do Cordeiro. E no dia do juízo final receberá vestiduras brancas e estará livre, isento da grande Ira do Cordeiro. Não deixe de tomar esta importante decisão em sua vida, mas faça antes que seja tarde demais, pois um dia a porta da salvação se fechará, só que ela pode se fechar antes para você, porque ninguém sabe o dia de sua morte e depois da morte não existe mais decisão nenhuma a ser tomada, apenas a aplicação da sentença, pois o julgamento final não é para decisões, mas para a aplicação da sentença do julgado.
C – O Desafio de nos Recordarmos de que o Orgulho Precede a Ruína
Edom é a prova disso. Ela estava no alto das montanhas, orgulhosa, achando que ninguém a botaria por terra, mas ela caiu! Deus abomina a arrogância e há pessoas arrogantes, famílias arrogantes, igrejas arrogantes e Deus resiste aos arrogantes e aos soberbos; Deus derrubará os orgulhosos do seu trono.
O primeiro pecado mencionado na Bíblia é o orgulho. Adão e Eva queriam ser iguais a Deus. Satanás queria ser como Deus, queria destruí-lo. Assim nasceu a primeira contenda no Céu. Um terço dos anjos foram seduzidos porque acreditaram nas promessas do suposto e futuro “senhor”; se encheram de orgulho influenciados por Satanás.
O orgulho sufoca, destrói, mata e derruba. É um pecado mencionado com bastante frequência nas Escrituras e todas as suas menções indicam que Deus o odeia e Deus realmente abomina o sentimento de orgulho! Toda criatura que cai nesta perigosa cilada enfrenta a Deus. Isto porque o orgulho cega o entendimento. Ele faz seus escravos pensarem que podem tomar o lugar do Onipotente Deus ou que podem ser uma criatura superior às outras. Mas isto é engano, um caminho que leva à destruição.
Aqueles que pensam que o sentimento de orgulho não traz contenda e desordem, estão completamente errados. O orgulho causa confusão, contenda, mágoa, brigas, discussões e divisões. Além disso, o cristão quando é orgulhoso envergonha o nome de Cristo, pois isto contraria tudo o que Jesus nos ensinou e viveu.
Talvez esta seja a razão da escassez de verdadeiros adoradores dentro do povo de Deus. Está triste armadilha tem cegado a muitos, tornando-os joio ao invés de trigo. O verdadeiro adorador não deixa ser tomado pelo orgulho, mas permanece humilde pelo temor que tem a Deus. As lições de Jesus sempre tinham a ver com humildade. Ele sabia que a falta de humildade causava destruição, ruínas, separação, tristeza, e o pior de tudo, entristecia a Deus. Por isso Ele nos diz:
3  Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus (Mt 5.3).
Jesus não só ensinou sobre a humildade, mas sua vida refletia isto em cada atitude. Dia a dia Ele mostrava que o orgulho não fazia parte do seu caráter. Querido irmão, faça o possível para viver uma vida de humildade, refletindo este ensinamento de Cristo em cada atitude, palavra e até pensamento. Por isso, dedique um bom tempo de sua oração pedindo a Deus um caráter livre do orgulho, derrame-se aos pés do Pai e peça para Ele te curar de qualquer tipo de soberba. E por último temos:
D – O Desafio de Crermos que o Reino Será do Senhor
O ímpio pode parecer muito forte, pode parecer irresistível, mas a mentira não prevalecerá sobre a verdade, a injustiça não prevalecerá sobre a justiça, os reinos do mundo não prevalecerão sobre o Reino de Deus, os senhores da terra não prevalecerão sobre o Senhor do Céu, pois quando a cortina se fechar nós já sabemos qual será o fim da História. O fim da História é este: Os reinos do mundo passarão e o reino será do Senhor e do Seu Filho Jesus Cristo e reinarão pelos séculos dos séculos.
Conclusão
O livro de Obadias nos ensina que não devemos subestimar um pequeno problema, pois ele pode se tornar um grande mal. Isaque amava Esaú e Rebeca tinha a predileção por Jacó. Dessa maneira criaram o filho não como amigos, mas como rivais, não como parceiros, mas como opositores e essa atitude irracional dos dois irmãos vai se consolidar no ódio entre duas nações.
Também nos ensina que quando deixamos nossas vaidades pessoais nos dominar, uma grande bênção pode se transformar em uma grande tragédia. Depois de tanto tempo de oração, quando os filhos chegam, ao invés de serem uma bênção para o casal se transformam em problemas para a família. Não que os filhos em si sejam os problemas, mas por imaturidade dos pais os filhos se transformam em um grande problema, porque tiveram preferências, predileções um pelo outro. Quando há desajuste no casamento pode haver a concentração em um filho ou em outro para tentar suprir alguma deficiência. Então, quando os filhos deveriam ser motivos de alegrias e prazeres, tornam-se motivo de grande sofrimento.
Nos ensina ainda que não devemos tentar mudar os desígnios de Deus e nem os manipular. Isaque, que amava mais a Esaú, tenta alterar o projeto de Deus. De que maneira? Isaque era o pai e tinha a competência de dar a bênção. Mesmo sabendo o que Deus havia dito, de que o mais velho serviria o mais moço, ele tenta alterar o projeto de Deus de uma maneira insensata. O que Rebeca faz? Articula um plano com Jacó e age errado também, tentando dar uma mãozinha para Deus, pensando que Ele não estaria a par dos fatos. Os dois deixaram de confiar em Deus. Os dois se insurgiram contra os propósitos de Deus. Não precisamos alterar os planos de Deus e nem dar uma mãozinha para Ele, pois Deus É Sábio, Soberano e Competente para dirigir a nossa história. Que Deus nos abençoe e nos conforte com essas palavras. Amém!
Luiz Lobianco
luizlobianco@hotmail.com
Bibliografia:
Bíblia Sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil. Sociedade Bíblica do Brasil.
Rev. Hernandes Dias Lopes: Mensagens sobre o livro de Obadias.